Não me tire dessa solidão, não me prometa amor, não me prometa o mundo. Não me faça rir por horas seguidas. Não me prometa o que não consegue cumprir. Não revire o meu mundo se não puder me oferecer nada em troca. Não me faça feliz se estiver pensando em ir embora.
Animicida.   (via animicida)
Mesmo assim, minha autoestima oscilou, sou daqueles que, se você não fizer 36 polichinelos na minha frente, com uma placa “eu gosto de você” pendurada balançando no pescoço, jamais terei certeza. Já me enganei tantas vezes.
Gabito Nunes.  (via animicida)
Acenda meu cigarro e olhe dentro dos meus olhos, nesses olhos que agora não acreditam nos seus, veja bem esse rosto cansado atrás do fogo, enquanto trago minha morte e assopro no seu rosto. Fique distante, o mais distante que conseguir. Eu não acredito em você, não acredito em nada que venha de você, suas lágrimas viraram águas passadas. Hoje está frio, e eu gosto disso, o clima lá fora combina com o clima aqui dentro. Em breve estarei bem longe torcendo pra que nossas vidas não se cruzem nunca mais. Não diga nada, suas mentiras me machucam. A porta está bem ali, faça como sempre fez, movimente sua existência vazia e perdida sem olhar pra trás. A noite está bonita lá fora, ao sair observe as estrelas bordadas no céu, cada uma delas tem sua história, seu significado, seu começo, sua explicação. Diferente da gente.
Sean Wilhelm.   (via animicida)
A decadent writer trapped in a parallel universe of fast motorcycles and pure melancholy.
☼ frase ☼
»
theme